Jornal Vale Vivo
 
   
     
 
 
   
 Esclarecimentos da Gestão 2010/2013 do CCL
  Luiz Fernando Almeida Ribeiro

Prezados associados e colaboradores.
Considerando a Nota Oficial da atual Gestão do CCL, nos vimos na obrigação de prestar esclarecimentos aos associados e tornar público as inverdades lançadas pela Sra. Maria Inez.
Como é de conhecimento de todos o CCL a gestão 2010/2013 foi composta por mim, Luiz Fernando de Almeida Ribeiro, como Presidente e pelo Adriano Aurélio dos Santos, como Vice-presidente, sendo que primamos pelo bem estar do associado e crescimento do Clube, trabalhando com a maior transparência possível, sendo que todas as nossas 36 contas foram aprovadas por unanimidade pelo Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal. Acrescento, ainda, que participamos de todas as reuniões do Conselho Deliberativo, a fim de prestar os devidos esclarecimentos ao Conselho, e por este motivo, com a UNIÃO dos Poderes Constituídos do Clube alcançamos um nível de satisfação altíssimo, pois deixamos o Clube com uma inadimplência de 3% e uma receita de aproximadamente R$ 420.000,00.
Quanto ao “Informe Oficial” da atual gestão esclarecemos que:
A atual administração informou que o “CCL está sem Alvará de Funcionamento desde 2002”, sendo que esta afirmação é MENTIROSA. O Clube sempre obteve o alvará de funcionamento, o que poderá ser verificado por qualquer associado na própria Prefeitura. Ocorre que nos anos anteriores o Corpo de Bombeiros emitia um alvará que compreendia o Ginásio e o Salão Social, sendo que nas demais áreas não existia uma exigência, e em posse desta autorização, em todos os anos, era requerido o alvará de funcionamento para a Prefeitura e este era concedido. Referida situação ocorreu em vários anos e por diversas gestões, sem causar nenhum problema ao Clube e ao associado.
Ocorre que após o acidente com a Boate Kiss, em Santa Maria, todas as corporações do Corpo de Bombeiros passaram a ser mais exigentes, e como isso, eles deixaram de conceder o “alvará parcial” e exigiram a construção do projeto completo, o qual, contempla os hidrantes pelo Clube.
Assim, fomos notificados, no final de fevereiro/2013, pela Prefeitura para apresentar o Alvará do Corpo de Bombeiros. De imediato, sabedores da necessidade e importância desta obra, eis que sem ela o Clube seria lacrado, informamos o Conselho Deliberativo do CCL que iriamos cancelar a obra “Quiosque do Campo” e iniciaríamos a obra denominada “Corpo de Bombeiros”. Tomamos todas as providências necessárias para o início da obra (projetos, cotação de material, contratação de mão de obra etc.). Desta forma, com tudo pronto para o seu início, e considerando a sua urgência, no dia 16/04/20013 fizemos uma reunião com a Sra. Maria Inez Vieira e o Serginho, Presidente e Vice-presidentes eleitos. Nesta oportunidade apresentamos a relação de material que estava comprado, após prévia cotação de empresas da região, no valor de R$ 31.500,00, com pagamento em 30, 60, 90, 120 e 150 dias, bem como, da mão de obra, no valor de R$ 16.000,00, sendo certo, que a obra tinha uma previsão de 30 dias para a sua conclusão. Esclarecemos a Sra. Maria Inez que seria necessário contratar uma mão de obra de fora, uma vez que os nossos colaboradores não conseguiriam realizar a obra no prazo de 30 dias. No entanto, mesmo após as nossas explicações e sabedora da urgência da situação, a Sra. Maria Inez afirmou que ELA iria fazer a obra e determinou que tudo fosse cancelado. Desta forma, em respeito aos atuais gestores, resolvemos cancelar todo trabalho.
Indago: Por que a Sra. Maria Inez não esclareceu aos associados desta reunião?
Se tivesse sido iniciada a obra no dia 17/04/2013, certamente o Clube não estaria passando pela situação vexatória de ser lacrado, trazendo um grande prejuízo para toda Associação.
Sem dúvidas faltou responsabilidade administrativa e capacidade.
É bom que se esclareça que a lacração do Clube adveio de uma determinação do Ministério Público nos autos de um Inquérito Civil, onde estão sendo fiscalizados todas as Casas Noturnas (Junglee, Macaco, Gordo, Instância etc.), não existe uma situação direcionada ao Clube, portanto o Prefeito Fabio Marcondes apenas cumpriu com uma determinação do Ministério Público, ou seja, sem NENHUMA conotação política.
Aliás, salvo engano, a Presidente do Clube esteve reunida por duas vezes com a Promotora responsável pelo Inquérito Civil, sendo que a última reunião ocorreu ontem antes da lacração, para solicitar dilação do prazo para concluir as obras (começadas tardiamente), no entanto, não obteve êxito. A Sra. Maria Inez também se reuniu com o Comandante do Corpo de Bombeiros, mas também não conseguiu o Alvará, sendo que nesta oportunidade fora esclarecido à ela, que anteriormente era expedido um alvará parcial, mas agora, depois do ocorrido em Santa Maria, não seria mais possível.
Com isso, a atual gestão, deveria ter esclarecido em sua nota que ela se reuniu com a Promotora de Justiça, com o Comandante do Corpo de Bombeiros, com a Gestão anterior do CCL, com a Prefeitura, mas não, resolveu omitir estas informações e se fazer de vítima, ou seja, quer atribuir a outros a sua responsabilidade, atitude típica dos incompetentes.
Nota-se que não existe briga política, não existe perseguição aos atuais gestores, não existe nada contra eles, porém a incapacidade é inegável.
Caro associado, é evidente a mudança do Clube nos últimos 60 dias, porém trata-se de uma mudança negativa, pois é notória a insatisfação do associado, uma vez que a freqüência dos associados baixou muito, o Clube está vazio!!!! Os nossos colaboradores estão tristres !!!!! Enfim, onde iremos parar......
A atual gestão lançou em sua nota que trabalha com ética e responsabilidade.
No entanto, o que estamos vendo é justamente o contrário, pois com mais de 70 dias de administração ainda não foi apresentado o balancete e suas respectivas notas fiscais das contas de maio/2013, não foi feita uma obra de extrema necessidade ao Clube, vem sendo tomados atos administrativos desastrosos (cancelamento de títulos adicionais, restrição de estacionamento, cancelamento de associados atletas, etc.).
A Sra. Maria Inez também tenta atribuir ao Conselho a culpa por sua ineficiência, afirmando que está sofrendo perseguição. Ora, muito embora o Conselho prestes as informações sobre esta acusação, esclareço que o CD e o Conselho Fiscal sempre foram e continuarão sendo exigentes quanto ao cumprimento de nossas normas, aliás, esta é a função deles.
Quanto ao clube ter sido dado em garantia de uma antecipação de receita de R$ 700.000,00, esclareço que na época, como Conselheiros que éramos (Eu e o Adriano) foi apresentado um projeto chamado Plano Diretor, que com esta importância foram construídas várias obras, entre elas: almoxarifado, vestiários para os funcionários, saunas, boxa, campo de futebol, quadra coberta, início da piscina aquecida entre outras. O Conselho aprovou o projeto, a taxa de ampliação de R$ 10,00 por mês, bem como, a forma de pagamento (aproximadamente R$ 17.000,00 por mês), sendo certo que este financiamento se findará em agosto/2014. Esclarecemos que este empréstimo é pago pelo próprio associado através da taxa de ampliação (R$ 10,00 por mês), não onerando a receita do Clube.
Já o financiamento de R$ 300.000,00 (com parcelas de R$ 15.000,00 por mês), que se findará em setembro/2013, foi utilizado para concluir as obras da piscina aquecida e quitar outras obrigações do Clube, sendo certo, que também foi discutido e aprovado pelo Conselho Deliberativo.
Volto a enfatizar que deixamos o Clube com uma receita de aproximadamente R$ 420.000,00 (em 30/04/2013) e com R$ 300.000,00 de contas a pagar para o mês de maio/2013 (incluindo a folha de pagamento, encargos sociais, empréstimos e R$ 15.000,00 de fornecedores), ou seja, situação financeira totalmente saudável.
No que diz respeito a piscina, lamentavelmente, outro erro grosseiro da atual administração. 
A atual gestão não só errou em baixar bruscamente a temperatura da piscina, quanto em tentar enganar o Conselho Deliberativo com um “controle forjado” e apresentado no dia da reunião do CD. Aliás, pelo próprio Conselho a administração foi desmascarada quanto a fraude do controle de temperatura e a tentativa de obrigar funcionários a assinar este controle. Lamentável.
Quanto ao IPTU, fizemos sim um contrato com a Prefeitura Municipal de Lorena, onde as tratativas iniciaram com o Prefeito Paulo Neme e terminaram na gestão do Dr. Marcelo Bustamente. Trata-se de um contrato legal, tendo sido aberto um expediente específico na Prefeitura, inclusive com parecer a Procuradoria Jurídica, o qual tinha por finalidade quitar o IPTU do Clube. Ocorre que os desmandos que aconteceram na Administração Municipal, fizeram com que o Dr. Paulo Neme reassumisse a sua função e por interferência de terceiros, o contrato não foi cumprido pela Municipalidade. Esclareço que estas tratativas se iniciaram a partir de um levantamento feito pelo Conselho das inúmeras cessões gratuitas feitas para a Prefeitura, as quais, se cobradas somariam mais de R$ 120.000,00, somente no período de 2010 à 2012. Mais uma vez, tudo foi feito com o conhecimento e aval dos poderes constituídos do Clube. Atualmente a Prefeitura sancionou e promulgou a Lei de isenção de correção e multas do IPTU em até 100%, não tendo, desta forma, sofrido o Clube qualquer prejuízo.
Por fim, prezados associados, estamos à disposição para os esclarecimentos que se fizerem necessários, pois temos um compromisso com vocês, com a verdade e com a transparência, e caso nossa honra e dignidade sejam atingidas por injúrias e difamações proferidas pela atual gestão, certamente iremos nos socorrer da tutela jurisdicional para buscar as reparações cíveis. 
Grande abraço.
LUIZ FERNANDO DE ALMEIDA RIBEIRO e ADRIANO AURÉLIO DOS SANTOS.

 
 
 
 
 
 
     
   
 
Jornal Vale Vivo: Desenvolvido por: 7cores.com.br